Herdade das Lameiras – Comenda

Este trabalho remete-me para fevereiro de 2020, um passeio em boa companhia por terras da Comenda (Alentejo). Um dos locais por onde passei foi na Herdade das Lameiras. Passado uns dias comecei esta pintura que retrata as antigas pocilgas da herdade… Para alegrar e dar um pouco de vida à paisagem introduzi uma coruja do mato na composição.

Por estranho que parece passado um ano decidi acabar esta pintura, para ser sincero apenas faltavam alguns retoques e assinar.

Abraços!

Gady

Bab Bou Jeloud

Bab Bou Jeloud a porta azul de Fez.

Selo belo da velha Medina;

Local de rotina;

Arco triplo;

Textura fina;

Mosaicos exuberantes;

Cores cintilantes.

Local de encontro uma porta a passar;

Para labirintos, becos e ruelas explorar;

Bancas, oficinas, ofícios um frenesim;

Que exaltam a tradição;

O fervilhar de vida que parece não ter fim;

Onde o gesto traz a obra na mão do artesão.

Gady

(Rui Miguel Roseiro Santos)

21-2-2021

A Cor Azul

Chefchaouen a cidade azul;

Onde tanto reflete o cerúleo deste domo celeste;

Portas, paredes ou vestes

Que trazem calma na mais fria das cores frias;

E dão laço a este pedaço de poesia;

Trazendo calma e concentração ao ser;

Onde a forma é personalidade;

No meio de tão intensa cumplicidade.

Gady

(Rui Miguel Roseiro Santos)

18-2-2021

A porta.

Madeira pintada, de vermelho ali jaz morta;

Imóvel, móvel, cheia de vida…

Local de passagem em que toda a gente toca;

Dentro, fora, luz, sombria…

Na Rua da Amieira em Mação;

Não subia nem descia;

Passava em passo largo;

Mas atento ao que via;

Guardado no meu pensamento;

Cinquenta e quatro;

O abstrato ou realidade;

Do momento a transcrever;

Com pigmentos diluídos;

Numa folha de papel.

Gady

(Rui Miguel Roseiro Santos)

15-2-2021